domingo, 29 de abril de 2007

EU CREIO - Festa do Credo - 5.º Ano de Catequese

Eu sou uma pessoa e nasci rapaz ou rapariga. Tenho um pai e uma mãe, irmãos, irmãs e familiares. Vivo em sociedade com muitas pessoas, animais e plantas, e com tudo o que cresce na terra.

Os homens podem ver e ouvir, aprender e reter, pensar e fazer projectos. Podem construir casas, domesticar animais, curar doenças, transmitir a vida. Investigam o universo e são capazes de viajar até à lua, atravessar os mares e inventar bombas que destroem a vida sobre a terra. São capazes de observar e estabelecer comparações.

Os homens comunicam, aprendem uns dos outros, necessitam-se mutuamente. O que é difícil torna-se fácil quando há alguém a quem posso dizer: conto contigo; tens boas intenções para comigo. Escuto o que me dizes: confio em ti. Tu ajudas-me sempre a levantar e dás-me esperança. Quero apoiar-me em ti. Acredito em ti.
"Um amigo fiel é uma poderosa protecção; quem o encontrou, descobriu um tesouro."
Eclesiástico 6, 14

As pessoas acreditam em si mesmas. Mas muitas acreditam também em algo que as ultrapassa. Acreditam em Deus. Esperam d'Ele uma resposta que ultrapassa toda a capacidade de conhecimento. Porque estou na terra? Porque temos de morrer? Donde procede a diversidade da vida? Existe uma causa última que dê sentido à vida e também ao sofrimento?

Em todas as épocas e em todos os povos, os homens procuram Deus. Procuram-n'O para aprender d'Ele a compreenderem-se e a compreender o mundo.
Os cristãos confiam no testemunho da Bíblia. Acreditam que Deus escolheu o pequeno povo de Israel, entre todos os povos da terra, para estabelecer com ele uma aliança. Através deste povo, todos os povos da terra aprenderão que Deus existe e que Ele tem um plano para os homens.

Através das histórias bíblicas dos encontros, aprendemos a conhecer a Deus. Aprendemos quem é Deus e o que Ele quer do homem ou para o homem.

Ontem, 28 de Abril, os jovens do 5.º Ano de Catequese realizaram a Festa do Credo pois quiseram dizer a toda a nossa Comunidade Cristã que acreditam em Deus, que O amam com todo o seu coração, com todas as suas forças e com todas as suas capacidades... quiseram dizer o seu sim a Deus, escutar a sua palavra e fazer a sua vontade.
A Paróquia do Ferro, o Pároco e os Catequistas aproveitam para desejar muitos parabéns aos jovens do nosso 5.º Ano de Catequese: Alexandre Freire, Ana Raquel Jesus, Diana Esteves, Edgar Macedo, Flávio Figueira, João Carlos Raposo, Maria Margarida Santos, Marta Almeida, Natália Moreira, Patrícia Poleina e Tatiana Raposo.

Agradecemos o excelente trabalho desempenhado pelas catequistas Cristina Costa e Mariana Máximo e o grande apoio que nos foi dado pelo Grupo do Tortosendo que dinamizou a celebração com os seus cânticos.

3 comentários:

Anónimo disse...

Deixo os meus parabens à catequese do Ferro e especial às catequistas do 5.º ano pelo trabalho bonito a que toda a comunidade assistiu no passado sábado,e que no próximo fim de semana a festa do dia da mãe com o catequista Helder seja tambem muito bonita.
Obrigado a todos os catequista pelo exelente trabalho prestado a todas as crianças e jovens desta Vila.

Mariana disse...

Um mundo diferente.
Por vezes, quando olhamos em volta, tudo nos parece estranho. Tudo parece ter sido modificado à última da hora para que cada um de nós se sinta diferente.
O mundo muda. As pessoas "transforma-se", os sentimentos despertam, as crianças crescem, os sorrisos rasgam-se, as lágrimas escorrem...
No fundo, a nossa vida é feita de pequenas experiências que nos tornam mais fortes e capazes de enfrentar as diversas situações com que nos deparamos diariamente.
Foi pela nova experiência e pela minha fé que entrei no mundo da catequese.
No início estava reticente. Pensava muitas vezes na responsabilidade que era ajudar e "orientar" os mais novinhos para o caminho da fé e da esperança e explicar-lhes que a vida também é feita de dissabores que nos tornam mais fortes e imunes.
As semanas foram passando. Cada criança ia apreendendo os novos conhecimentos com entusiasmo e motivação. Dia após dia, também eu enfrentei novas situações como perguntas inocentes e ingénuas que esperavam uma resposta clara e eficaz, conversas que pediam orientação e uma simples explicação.
Fui conseguindo enfrentar tudo com ajuda e essencialmente porque CREIO EM DEUS. Sei que tenho uma força sempre comigo, algo que me ultrapassa mas que me torna tão confiante e segura nas tropecias da vida. Essa força, capaz de transformar um povo, é-me tão essencial e optimiza a minha visão acerca do que me rodeia. É esta crença e fé que tento transmitir e fazer sentir áqueles meninos e meninas que se encontram ainda na idade da descoberta.
Sei que tudo era bem mais simples naquela altura. Na altura em que brincavamos sem preocupações, diziamos o que pensavamos sem qualquer intensao de magoar. Na altura em que tudo parecia puro e sincero.
Infelizmente as pessoas quando crescem vão descobrindo o outro lado do mundo, o lado mais cruel e "escuro" da vida. Mas, se a idade da inocencia tem algo de puro, a experiência faz com que nos sintamos calejados e, juntamente com Deus, enfrentemos o mundo sempre com um sorriso bem rasgado e com um brilhozinho de optimismo no olhar.
A festinha de Sábado veio reforçar a nossa fé e afirmar que acreditamos em Deus incondicionalmente.
Agradeço a todos os que nos ajudaram a mostrar, mais uma vez, áquele grupinho que Deus existe e que nos acompanha sempre a caminhar na estrada da luz.

Mariana

Anabela disse...

Mariana
Foi com muita emoção que li as tuas palavras.
Revi-me em algumas delas e senti que realmente também é por tudo isso que sou catequista e quero continuar a servir o Senhor.
É como tu dizes tenho sentido que cada adolescente (com o grupo a que pertenceste) "iam apreendendo os novos conhecimentos com entusiasmo e motivação. Dia após dia (e foram dois bons anos), também eu enfrentei (da tua, da vossa parte) novas situações como perguntas (mais ou menos)inocentes e ingénuas que esperavam uma resposta clara e eficaz, conversas que pediam orientação e uma simples explicação".
Como dizes, todos esses bons momentos (embora alguns trabalhosos, complexos) dão-nos um conforto, uma confirmação que é por aqui que eu quero ir.
Foi também com emoção que no Sabado, pude ver que és uma pequena grande obra para a qual eu dei um pequeno contributo.
Não deixes que a tua luz seja perturbada por alguma escuridão que existe no mundo.